Acordeões do Mundo



Introdução

Acordeões do Mundo afirmam-se em Torres Vedras!

Ocorre um tempo em que as diferenças culturais podem ser partilhadas, esse é um acontecimento torriense que ousa em afirmar-se e que se dá a conhecer anualmente como "World Accordion Festival". Singular no território nacional, é palco das mais belas aventuras musicais que se podem descobrir.

Temos a presença, uma vez mais, de destacados instrumentistas e compositores, que se constituem num roteiro planetário visitado, descoberto e que se apresenta como um festival fabuloso.

Este ano são destaque os Buille (dos irmãos Niall e Caoimhín Vallely e Ed Boyd) vindos da Irlanda, os La Camorra (com Jorge Kohan, Nicolás Guerschberg, Hugo Asrin, Sebastián Prusak e Luciano Jungman ) da Argentina, os Mu (são eles o Osga, a Sara, a Dulce Cruz, a Diana, o Nuno Encarnação e o Sérgio Calisto) oriundos do Porto, Egor Zabelov (acompanhado por Artem Zalessky) da Bielorrússia e da Finlândia um dos membros do mítico Accordion Tribe, Maria Kalaniemi (acompanhada por Olli Varis).

Festival que na Master Class apresenta o virtuoso Riccardo Tesi, que faz questão de vir pela segunda vez ao festival e que aqui fará também uma merenda e um show case num espaço rural do concelho. Também a presença já assídua do português Artur Fernandes (Danças Ocultas), que além da formação participa numa das "merendas do acordeão", acompanhado pelo seu irmão Bitocas.

A par desta "constelação", contamos com a presença de acordeonistas nacionais e da região, que animam as merendas num convívio que assume, de ano para ano, uma cumplicidade salutar e divertida entre a população e as suas musicalidades. Sem esquecer os espaços de convívio que os cafés, restaurantes, tascas, esplanadas têm proporcionado a este festival, por toda a cidade.

De novo, temos a merenda para as escolas da cidade, que conta com a presença de três elegantes musiclowns oriundos de Espanha e denominados Quartetto Maravilla. Com uma disparatada postura cénica e a sua música em estilo clown, arrancam gargalhadas e fazem as delícias de grandes e pequenos. Percorrem ruas, praças e parques de todo o mundo para mostrar o seu divertido espectáculo. Estão dispostos a divertir os alunos em Torres Vedras com originais números de variedades, além de um extraordinário reportório musical que inclui variados estilos, desde o seu próprio som até ao swing, passando pelo ska e a música klezmer.
Torres Vedras é, uma vez mais, o palco de excelência mas também da popularidade, de festa, que reúne e diverte, proporcionando o reencontro dos torrienses e dos seus visitantes. Uma vez mais, um Festival a não perder.

Carlos A. Ribeiro Mota
Director do Festival